Pois nesse mundo algo há de valer a pena…

Data: 31.03.2016  Categoria: Pessoal  Leitura: 4 minutes 

Tem muito post na fila, e pretendia ir publicando assim que mudasse o layout. Sim! O Layout vai mudar e logo fica pronto.
Mas este é importante e resolvi passar na frente. Como eu sempre faço, coloco o carro na frente dos bois.
Se vale a pena colocar o carro na frente dos bois? Nem tanto, mas nesse mundo algo há de valer a pena.

Da coisa mais estúpida a mais importante; da formiga ao leão; da mentira a verdade.
Posso dizer que no meio de mentiras descobrimos o que é verdadeiro, no meio da raiva descobrimos o amor.
Fazemos coisas estúpidas pra provar o que não precisamos pra nós mesmos; fazemos coisas mais estúpidas ainda para provar para os outros o que não precisa ser provado pra ninguém.
E d
igo que tudo vale a pena pois de tudo da pra tirar alguma coisa boa. Seja a clareza, de ver o que não estávamos vendo, ou só tirar a dúvida de algo que sempre soubemos, algo antigo, algo que sempre existiu e não precisa de provas nem explicação nenhuma. E sofrer com isso. Tudo, pelo que? Orgulho. Orgulho de não dar o braço a torcer, orgulho de não voltar atrás. Ah… como o orgulho mata. E a gente só percebe quando já está morto.

Quando tudo está dando certo a gente se pergunta quando tudo vai começar a dar errado. Eu sou assim. A gente não se conforma com o que está bom. A gente não se conforma com a felicidade. A gente se boicota demais. Quando está tudo bem o coração quer sofrer, pois quando está tudo bem parece que esta faltando alguma coisa, e é do sofrimento que a gente sente falta. A sensação de que não vai dar certo, de que isso é bom demais pra ser verdade. Eu aí… eu faço merda.

Sou estúpida? Acho que sim.
Sou estúpida em acreditar em tudo o que me falam e deixar de ouvir o que realmente interessa, euMas de tudo a gente tira coisas boas. Sou estúpida por sentir medo e fazer umas cagadas e me segurar em algo falso pra seguir em frente, precisar de um empurrão que não preciso pois se for por mim, vai ser mais difícil. Mas quem não sente medo? Sou estúpida por deixar a opinião dos outros influenciar o rumo da minha vida, os meus sonhos, as minhas vontades, o meu coração. Sou burra o suficiente por mentir para me livrar de algo que não queria me ver livre. Nem deu certo! Não vou me livrar nunca!

O certo é sempre fazer o que se quer. Quando fazemos o que queremos, vamos com vontade e verdade. E a verdade é o certo, sempre. E eu estou falando a verdade. Não existe desculpas pelo que aconteceu. Mas também não existem explicações para o que eu sinto, que como disse, é sem explicações, é antigo e nunca consegui me livrar disso. Isso não sai de mim, você não sai de mim e não vai sair. Está tatuado, ad eternum, por baixo do peito e não tem tatuagem nenhuma que possa cobrir isso. Preciso do seu copo de Guinness ao lado do meu copo.

Como diz Gessinger:

Eu que não amo você, envelheci 10 anos ou mais nesse ultimo mês.
Senti saudade, vontade de voltar. Fazer a coisa certa. Aqui é o meu lugar.
Mas sabe como é difícil encontrar, a palavra certa, a hora certa de voltar.
A porta aberta, a hora certa de chegar.

Descobri que nem toda amizade vale a pena, que tempo não significa absolutamente merda nenhuma. O tempo não faz ser mais ou menos. O tempo é o tempo e nada mais, e que não da pra apagar um sinal de nascença. Eu sei o que eu quero…

Comentários

Be kind / Be nice

Seja o primeiro a comentar!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

CommentLuv badge

%d blogueiros gostam disto: