Até quando você vai levando porrada?

Data: 30.11.2016  Categoria: Pessoal  Leitura: 9 minutes 

Lembro bem da época em que ficava sentada na minha carteira na escola aprendendo matemática, português, ciências, geografia e história. Exploração de um povo em detrimento de outro, descaso, ignorância, duas grandes guerras dentre tantas outras, escravidão e racismo. A gente cresce enxergando aquilo como algo distante, longe de nós, longe do nosso país, longe da nossa história. A gente cresce pensando que mais nada daquilo existe e que os problemas foram todos solucionados.
Fome, esgotamento de reservas, pessoas matando outras por poder (dinheiro, disputa por recursos naturais, território) e religião. Tudo isso, infelizmente, ainda é realidade. A história do passado se repete no futuro e enquanto isso ninguém consegue quebrar o status quo. Pessoas exploraram e ainda exploram, o racismo existiu e ainda existe, a luta das mulheres por direitos equânimes ainda se mostra necessária, guerras que ainda não acabaram e outras que surgiram na última década. Infelizmente as coisas ainda estão como sempre foram.

Nesse país a gente cresce achando que a política é complicada e que é coisa de gente grande, mas não é, a política é a ciência do governo dos povos, e governar é conduzir e organizar esses povos, política é tudo e está em todo lugar. Querem que a gente pense que é complicada para que o povo não se meta, se contente com qualquer coisa e permaneça calado. Fingem que nos dão o direito de escolher quem fica no poder e o que queremos para o povo, a gente finge que o sistema funciona e que a gente acredita nas promessas, a gente finge que o cara que está ali não é corrupto e a vida segue, pois nada muda.
Política tem que ser pra todo mundo. Se a política parece complicada é porque querem que a gente pense assim. Se a política tem problemas é porque nós nunca demos o valor que deveríamos ter dado desde sempre. Nós somos como aqueles caras que estão lá, alguns se corrompem, outros são de natureza. Não podemos pedir mudança de atitude se vamos continuar tirando vantagem de coisas que parecem pequenas, muitos de nós não desvia milhões para o próprio bolso e não desvia da merenda escolar, mas pegamos o dinheiro da carteira antes de devolver. Os que podem ou querem fazer alguma coisa são obrigados a se calar ou são desencorajados pela maioria corrupta, um bom exemplo é o que fizeram com as “10 medidas contra a corrupção“. Ignoram que pessoas passam fome e não tem onde morar enquanto desviam dinheiro de obras e projetos para ter a joia, o restaurante e a viagem que não precisam.
Gostamos de dizer que somos humanos, mas a verdade é que não temos humanidade alguma. Se a gente não mudar, nada muda. Na votação para o impeachment da Dilma deu para perceber o nível de despreparo que estão aqueles homens (e mulheres) que decidem o rumo do nosso país, o rumo do nosso dinheiro, o rumo do nosso salário, o rumo da nossa educação e o rumo da nossa saúde.

Olhe bem para essa foto e perceba de que lado você está. Você está do lado de fora. | Foto: Gisele Arthur

O desejo de ter o controle sobre o que os outros fazem ou o que são, de ter o controle do país, de ter o controle de recursos e querer estar sempre certo sobre absolutamente tudo e não se abrir para o novo está destruindo o pouco que temos. O desejo de enriquecer a qualquer custo passa até mesmo por cima de tragédias na hora de vender uma camiseta ou atrair cliques com matérias de mal gosto.

Um jovem foi assassinado pelo pai pois eles não compartilhavam do mesmo posicionamento político. Nos portais e redes sociais as pessoas faziam piadas e justificavam o ato dizendo que o rapaz era baderneiro, então mereceu. Ser baderneiro não é motivo para um pai matar um filho, se é que existe um.
Outras pessoas ainda diziam que não existe certo ou errado em uma situação dessas, que deveria ver o que levou o pai a fazer aquilo, e que o rapaz era de esquerda então deveria ter saído de casa a muito tempo e parabenizavam o pai. Se a direita acha que tudo bem matar um filho por ele ser de esquerda e não consegue ver o que tem de errado nisso, então não me resta mais esperança.

A direita parece ter virado tendência, mas ela sempre existiu, sempre se pronunciou e sempre foi preconceituosa. Muitos se calaram e velaram os preconceitos por muito tempo, mas agora com a situação política do mundo claramente dividida e apelando para o lado emocional das pessoas (gerando revolta) para conseguir votos, houve a necessidade de gritar por aí o que pensa e a necessidade de aprovação dos outros é tão grande que ninguém se controla e sai falando e fazendo o que bem entende se apoiando na frase “tenho o direito de me expressar, vocês que se ofendem por qualquer coisa“. É preocupante pois tem gente que espanca, mata e acredita piamente que está agindo com algum direito.

É possível ver a história se repetir. Estamos em um momento em que deveríamos nos unir e não construir muros. Deveríamos nos unir e ajudar aquelas pessoas que estão morrendo em guerras, que estão fugindo delas e que estão morrendo de fome e dar para os outros as oportunidades que eles não têm. Deveríamos parar de pensar que o bolsista ou cotista está tirando o lugar de alguém, pois amigo, se você pensa assim você já não tem lugar nenhum. Honestamente, se você pensa assim é porque você mesmo não é capaz de conseguir o que quer sozinho e precisar tirar o pouco que um cotista recebe para ter alguma vantagem. Estamos nos distanciando e odiando cada vez mais, e o pior, odiando com orgulho de odiar! Desprezando com orgulho de desprezar, e falando mal dos outros com orgulho disso, como se fossemos exemplo de comportamento e valores e impondo que o outro seja igual e faça as coisas da mesma forma.

Como diz o jornalista Laurentino Gomes na introdução de seu livro, 1889: “Uma sociedade que não estuda história não consegue entender a si própria porque desconhece suas raízes e as razões que a trouxeram até aqui. E, se não consegue entender a si mesma, provavelmente também não estará preparada para construir o futuro de forma organizada. O estudo de história é hoje, talvez até mais do que qualquer outra disciplina, uma ferramenta fundamental na construção do Brasil dos nossos sonhos em um novo ambiente de democracia.”

Ou seja, até nos ensinam história, mas não nos ensinam a pensar, analisar e refletir sobre todos os acontecimentos. Nos ensinam apenas a decorar nomes e datas para passar nas provas. Nos ensinam que aquilo tudo o que a gente leu já passou. Não nos ensinam a ter opinião, isso é coisa que a gente busca só depois que cresce pois sente que tem algo errado, mas não são todos os que buscam. Quando o professor quer ensinar o aluno a pensar sozinho e tirar as próprias conclusões o aluno sente preguiça, quer receber o suficiente para passar de ano e terminar logo com a tortura de estar em sala de aula. Enquanto isso, fazem o que querem da gente. Nos fazem acreditar que qualquer outro lugar do planeta é melhor de se viver que aqui, nos fazem acreditar que o que vem de fora é melhor. Isso é triste!

Trecho do livro “1889” de Laurentino Gomes

O que quero dizer é que somos egoístas, violentos, preconceituosos, autoritários e que cenário nenhum vai mudar se continuarmos a ser dessa forma. Brexit com a União Europeia, conseguiu o número que precisava de votos publicando mentiras como uma dizendo que a permanência na UE custava à Grã Bretanha U$470 milhões por semana. Trump e o Partido Republicano levando o lema “América em primeiro lugar, americanismo, não globalismo será nosso credo” não foi diferente, foi por mentiras espalhadas no Facebook que alcançaram o objetivo. O papa nunca apoiou esse cara e o Obama não é fundador do Estado Islâmico.
Há uma onda nacionalista e xenofóbica pela Europa. Na França, o Frente Nacional, um partido de extrema direita, está crescendo. Na Alemanha, o Alternativa para a Alemanha, também um partido de extrema direita, está ganhando força; o partido tem um discurso radical sobre a crise de imigração na Europa. A direita também cresce na Áustria, Holanda e nos países escandinavos há a busca pela excelência do “modelo nórdico”. O rumo que o mundo está tomando é preocupante. A estratégia de atingir as pessoas através de seus medos e causar histeria coletiva ameaçando destruir seus valores, religião e família espalhando mentiras sempre funcionou. Essa é a “pós-verdade”, a palavra do ano segundo a Universidade de Oxford, que é quando fatos têm menos influência em moldar uma opinião do que o apelo à emoção e preconceitos.

Como cada país tem o Trump que merece, nós temos os nossos e esses senhores estão encorajando atitudes violentas e pedidos de volta da Ditadura, realizaram um impeachment e incentivam o preconceito e a intolerância. Afinal, eles fazendo isso publicamente alguns acham bonito e repetem o comportamento. A direita está aplaudindo a tortura. A direita aqui e no mundo vê a violência política e guerra como meios para alcançar o que desejam, isso é fascista demais. Já vimos essa historia acontecer e já ouvimos, com horror e tristeza, os estragos que foram feitos. Vamos parar de caminhar em círculos e ser inteligentes e mudar o caminho que estamos trilhando, a historia não pode se repetir.

A desigualdade é mais violenta que qualquer protesto.

Comentários

Be kind / Be nice

  • Menina, ce falou tudo. Também lembro de aprender essas desgraças e pensar porque raios ninguem fazia nada pra mudar. Porque essa sociedade tem que ser tão egoísta e absurda. Agora to vendo na tv os twets do Trump e mano, ele é muito louco, esse muro que ele quer construir no México, isso de querer acabar com plano de saúde, não dá pra pensar em mundo melhor com um homem desses na maior potencial mundial. Não dá pra pensar em nada, com um golpista governando nosso país. Espero que daqui a uns anos tudo isso seja esquecido como uma má fase e a gente possa se reconstruir. Beijão!
    dezoitoemponto.com

    • Me desculpe a demora pra responder!
      Pois é Sami, o pior é que esse comportamento do Trump e dos seguidores dele se repetem também nos outros países. Até mesmo no nosso, com o Sul querendo se separar do resto do país, enquanto essas loucuras todas ficarem só na cabeça dessas pessoas, menos mal.
      Beeeijos!
      Visitei o seu blog e adorei! Já adicionei no meu feed!

  • Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    CommentLuv badge

    %d blogueiros gostam disto: