Mas a minha timidez não deixa

Data: 29.03.2017  Categoria: Pessoal  Leitura: 2 minutes 

Não sei se é timidez ou outra coisa, mas eu sofro muito com isso aí. As pessoas me cobram atitudes que muitas vezes eu só não tomei por culpa dela (a vergonha). É incontrolável. Chego em algum lugar e fico com medo de dizer oi pois não quero ser deixada no vácuo. E o problema não é não me responderem, o problema é alguém ver que não me responderam e me ridicularizar por isso. Odeio sentir vergonha. Acontece que raramente as pessoas me ouvem mesmo pois o meu tom de voz é baixo e não sei o que fazer com ele. Será que teatro resolve?

Tenho medo de interagir com as pessoas da forma que gostaria e ser julgada ou chamar atenção demais. Com o tempo essa minha característica está piorando. Tenho medo de mostrar o que sei fazer e pensarem o que não devem. Eu deixo de fazer o que gostaria e de ser quem eu sou a todo momento por conta desse medo que tenho dos outros. Não deve ser timidez, deve ser outra coisa.

Vivo com medo de tudo e de todos. Tenho medo de errar, medo de parecer over, medo de aparecer, mas odeio ficar escondida e ser esquecida. Sei lá, não gosto de me meter e prefiro quando me chamam e se lembram de mim, quando me envolvem em algo pois lembraram das minhas habilidades do que chegar metendo o pé na porta como qualquer pessoa normal faria. Acontece que quero que se lembrem de mim, mas nem sempre faço por onde. Como quero que as pessoas se lembrem de algo que elas nem sabem que existe?

Tenho medo de passar ridículo, tenho medo de brincar, tenho medo de ser ridícula algumas vezes. Acontece que na vida a gente tem que ser ridículo para aproveitar as coisas de verdade. E eu tenho medo disso, tanto que depois que acaba eu sempre paro e penso que poderia ter aproveitado muito mais, que fui idiota em ter me importado demais com o que os outros pensariam, quando na verdade não tinha ninguém pensando em nada. E geralmente nunca tem mesmo, mas gente com esse problema que eu tenho sempre pensa que os outros julgam tudo durante 24 horas.

A verdade é que com essas atitudes e medos eu sou a única que está perdendo um montão de coisas maravilhosas e deixando passar oportunidades.

Comentários

Be kind / Be nice

  • Texto adorável e sincero. Me senti ali, contemplada pelas suas palavras. Lembro que quando mais jovem, eu não era assim. Depois de um episódio de trauma, me tornei essa pessoa medrosa e agora não consigo me livrar disso. E é medo de coisa boba também. Chego a suar só de pensar em usar o telefone. Espero que com você não seja assim. É muito ruim e eu não desejo pra ninguém.

    • Olá Renata.
      Desculpe a demora em te responder, estou colocando muitas coisas em ordem e o blog acaba ficando um pouco abandonado, mas não me deixa não que logo logo volto a postar com frequência.
      Mas então, comigo não é tão forte assim o problema, mas realmente me sinto prejudicada em alguns momentos e deixo de fazer coisas que gostaria de ter feito. Percebo que a Ariani que fica sozinha no quarto é muito diferente da Ariani que está na frente dos outros e perco muita coisa boa com isso.

      Beijos para você.

    • Poxa Nilton, não tenho ideia de como se sente, mas posso imaginar. Sei que nada do que eu falar vai resolver o seu problema, para nada na vida existe fórmulas mágicas, mas tenta focar e fazer as coisas que você gosta, talvez até mesmo ver alguma série pra te distrair desses pensamentos! Obrigada pela visita!

  • Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    CommentLuv badge

    %d blogueiros gostam disto: